"Marcio é maravilhoso

Marcio é divino

Marcio é moço fino

Rufino é homem com olhar de menino

Marcio é decidido

Marcio é mestre, brilha no ensino

Marcio é guerreiro...

E nesse Emaranhado Rufiniano, quero me emaranhar."

(Camila Senna)















quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Monstro Teimosia


A vida é uma ilha flutuante

Sem porto fixo, sem norte.

Quanto mais se nada em sua direção

Mais ela foge.

O desejo vive nessa ilha.

Sedento, faminto, leproso.

Cego, banguela, horroroso.



Do alto mar já se vê o Morro do Pensamento

Onde as asas de Deus protegem a todos nós.

Atrás do morro vive um monstro bonzinho

Que estrangula

Mas só aperta e não machuca.

É o monstro Teimosia

Animal feroz que come as próprias patas

Para escapar da armadilha.

As patas são digeridas e defecadas.

Depois renascem firmes

Com as garras ainda mais afiadas.



E em todo esse emaranhado

Minha mais nobre atitude

Foi em cada lugar que passei ter deixado

Um pouco de meu pecado e de minha virtude

Monstro Teimosia que conta o irrevelável.

Monstro Teimosia que se transforma em noite

E nos banha de prazer e mistério.

O beijo que não se deu.

O sexo que nunca aconteceu.



Com o vento eu corro, pulo e rastejo.

Em qualquer brejo, em qualquer engenho.

Eu sopro em qualquer lugar

Mas ninguém sabe de onde eu venho.



E em todo esse emaranhado

Minha mais nobre atitude

Foi em cada lugar que passei ter deixado

Um pouco de meu pecado e de minha virtude.



Teimosia inexorável, soberba, sonhadora.

De gosto louco, bêbado, exótico.

Conivente com monstros depravados

Que se acariciam

Em frente à gigantesca tela plana de cinema erótico.



E quando as ondas duramente retardadas

Do mar Cáspio do meu riso

Baterem nas pedras moles da minha segurança

Eu vou me banhar num fumegante rio

Para que muito além do meu calcanhar

Seja meu corpo todo uma bonança.



Teimosia que não quer eu seja o sapo que se transforma em príncipe

Mas quer que eu seja o sapo que devora auroras.

Teimosia que não que que eu seja o cão

Que se faz de anjo de luz para iludir e enganar

Mas o cão que ladra para a luz da lua

Para acalentar o sono e sonhar.



E em todo esse emaranhado

Minha mais nobre atitude

Foi em cada lugar que passei ter deixado

Um pouco de meu pecado e de minha virtude.


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

6 comentários:

mundo azul disse...

_________________________________

Passando para conhecer seu espaço e agradecer sua visita!

Gostei!


Beijos de luz e o meu carinho...

__________________________________

flavia ferreira disse...

Parabens peloi pensamento. Simplesmente maravilhoso.

DÊ uma olhada no meu blog. http://todaqualquercoisa.blogspot.com/

(En) Canto da poesia disse...

Olá, amigo, estou de volta, após um longo período. Feliz por retornar a esta casa. Bom fds.
Bjos.

Felipe Mendonça disse...

Oi, Márcio,

Meu nome é José Felipe (Felipe Mendonça é meu nome artístico) Nos conhecemos rapidamente no Escritório de Direitos Autorais, lá no prédio Gustavo Capanema. Lembra??? Gostei muito deste poema, ele é construído com metáforas bem escolhidas que tornam o texto rico de sentido, sem que corra o risco de cair num excessivo hermetismo. Prezo muito a poesia bem escrita e lúdica, mas que não deixa de ser comunicativa e que conserva certa simplicidade sinática. Creio que vc consegue dosar essas duas coisas com habilidade neste poema. Parabéns. Não visitei seu blog logo, pois não estava conseguindo acessá-lo. No mais, um grande abraço e um ótimo 2010. Ah, já abri o processo de registro de meus poemas. Agora estou aguardando o certificado. Não vamos perder o contato. Até.

Jose Felipe disse...

Oi, Márcio,

Meu nome é José Felipe (Felipe Mendonça é meu nome artístico). Tudo bem? Nos conhecemos rapidamente no Escritório de Direitos Autorais, lá no Prédio Gustavo Capanema. Lembra??? Gostei muito deste poema. Ele é bem construído com imagens e metáforas muito belas, sem o risco de cair no hermetismo. Gosto muito de poemas como este bem contruído, mas que preserva certa simplicidade sintática, tornando-se bastante comunicativo. Parabéns. Não acessei seu blog antes pois não estava conseguindo. Ah, já dei entrada no registro dos meus poemas agora estou aguardando o certificado. No mais, um 2010 excelente e um grande abraço. Obrigado pelo comentário deixado no meu blog. Não vamos perder o contato. Até

Ianê Mello disse...

Que lindo!
Quanta sensibilidade e verdade em seus versos, amigo!
Cheguei e arrepiar-me.

Essa parte é tudo...


"Foi em cada lugar que passei ter deixado

Um pouco de meu pecado e de minha virtude."

Abração.