"Marcio é maravilhoso

Marcio é divino

Marcio é moço fino

Rufino é homem com olhar de menino

Marcio é decidido

Marcio é mestre, brilha no ensino

Marcio é guerreiro...

E nesse Emaranhado Rufiniano, quero me emaranhar."

(Camila Senna)















sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A nuvem e o fogo




Quando eu era menino
Queria ser bonzinho
Para poder andar sobre as nuvens
Até que um dia comi algodão-doce
E a vontade passou.

Quando eu era menino
Eu não queria ser mau
Pois tinha medo de arder no fogo
Até que um dia senti queimar no meu
O calor de outro corpo
E o medo passou.

Hoje, já adulto, tenho plena consciência
Nessa perplexidade caótica em que me movo
Da poderosa sensibilidade de minha essência
Que insiste em ser metade nuvem, metade fogo.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

6 comentários:

João Lima disse...

olá marcio! poxa, muito obrigado pelo comentário lá no comtexturas. fiquei feliz que você tenha curtido.

também gostei do seu blog e desse 'a nuvem e o fogo'. voltarei pra ver as novidades

abs,
joão

L. Rafael Nolli disse...

Meio a meio: fogo e nuvem.
Gostei do poema, tem um apelo interessante!

EDUARDO RIBEIRO TOLEDO disse...

Percorri impunemente as palavras como um menino que se distrai em qualquer esquina. De repente, voltei-me a mim e senti o peso das quimeras que carregamos. Maravilhoso. Abs,

João Daniel Imenes disse...

muito bom! já estou te seguindo!!! exelente poesia. identificável em facilidade tanta a mim. obrigado.

Poemas Tecidos disse...

Poesia inteligente, provocadora.

Abraços.

NALDOVELHO E A DANÇA DO TEMPO disse...

Marcio! Belo poema meu amigo, acho que você deveria criar um blog exclusivamente para seu trabalho como poeta, onde pudéssemos vê-lo em sequência. Quero conhecer mais da sua obra.